Lema de Vida:

Aprender até morrer, morrer sem nada saber!!

sexta-feira, fevereiro 16, 2007

Mais uma vez...

Como n professores que andam por aí nas nossas escolas, ando desiludida, esforçando-me por não se notar... ando triste e não se nota... ando cansada e não quero que se note... Sobretudo porque não quero que os meus alunos sintam isso e se desmotivem!

Acredito que o processo de ensino-aprendizagem tem muito a ver com a empatia que se tem com o professor e é nessa base, assim como na felicidade que sinto ao ensinar, que dou as minhas aulas.

No entanto há momentos em que já não sei que volta a dar... Hoje, na aula de 11ºano, foi um desses momentos.

Estive a falar para o boneco, ou melhor para 4 ou 5 bonecos, que os outros estavam em todo o lado menos ali... E sei que, se não cumprir o programa para os levar a exame, serão os primeiros a apontar-me o dedo!!

Vida triste esta...

4 comentários:

Anónimo disse...

Força, os alunos irão acabar por reconhecer o seu esforço!

Jose disse...

a situação negativa que se vive no ensino em Portugal, é o fruto de uma liberdade desenfreada no ensino nos últimos anos. Esta situação tem de terminar; mas por tal alguém terá de pagar a factura. Cabe a esta geração alterar e corrigir os erros que se tem praticado no ensino em Portugal.
A falta de respeito pelos professores, não só se deve aos alunos, como aos pais e principalmente aos mesmos professores, por consentirem que no seio da mesma classe haja quem tudo merece menos ser considerado/a professor/a. A melhor forma aparece
com a selecção, pois nem todas as uvas dão vinho

Anónimo disse...

acontece com quase todos.mesmo se for ma turma atenta, haverá sempre quem olhe para o lado e nao ligue patavina. nós já fomos assim, lembras-te? e os meus alunos sao iguais!

nao deixem de visitar o meu novo blog:
http://donodecasa.blog.pt/

Paulo Sempre disse...

Noutros tempos não era assim. Havia uma sala cheia de "bonecos" uma cruz dois(retratos), um do Salazar outro do Américo, um quadro preto, uma régua, uma oração. Ainda assim, todos faziam "cantigas de roda" de modo a imaginar que o Paraiso era ali...
Tudo o vento, entretanto, levou....
Paulo