Lema de Vida:

Aprender até morrer, morrer sem nada saber!!

domingo, julho 23, 2006

Sofrer por amor...

No outro dia estava a planificar algumas actividades para o próximo ano lectivo com a minha amiga Mourisca quando alguém falou que podíamos abordar a Homossexualidade.

Dei por mim, não no momento, mas mais tarde, a pensar nas pessoas que conheço que:
* são gays (ou lésbicas) assumidos
* não são assumidos mas são gays (ou lésbicas)
* parece-me que são gays (ou lésbicas) mas tenho dúvidas

Tenho seguido um blogue de um conhecido que se encaixa no grupo do "parece mas não sei" e descobri que, no blogue, ele se assume completamente e louvo-o por isso. Recentemente, está em crise, desgosto de amor, dores que eu própria já tive e não quero repetir. Sentimentos iguais aos que sinto; afinal a paixão e o amor não são só físicos, envolvem muita psyché.

Tudo isto fez-me pensar. Não discrimino ninguém mas confesso que às vezes faço comentários parvos susceptíveis de magoar alguém, não maldosos nem ofensivos, mas parvos.
Quantas vezes esses comentários já terão magoado alguém sem que eu saiba que são homossexuais?
Como professora, devo ter alguma atitude especial face à sexualidade de um aluno?

Na cabeça borbulha aquela notícia de uma escola onde duas miúdas se acariciavam, e que acabaram por ser convidadas a moderar os seus gestos. Achei de mau tom. Achei ofensivo o que se pedia à raparigas. Mas com alguns comentários meus não estarei a ofender?

Aos meus amigos assumidos, aos que não são assumidos mas que me confirmaram, e ao outro grupo, peço desculpa por alguma vez ter magoado.

3 comentários:

Professorinha disse...

Muitas vezes dizemos oisas que podem magoar mas que não são ditas com esse objectivo. As pessoas de certeza percebem isso. Não me considero preconceituosa em relação à sexualidade das outras pessoas, mas há aqueles comentário que costumam sair sem antes pensarmos que podemos estar a magoar alguém.

plopes disse...

Os comentários podem mesmo ser ofensivos, mas, às vezes, assentam bem, principalmente nos "gays" que teimam em ser bichas e em demonstrá-lo ostensivamente, sem se importarem com as náuseas que podem provocar nos outros.

Anónimo disse...

Lidei de certo com duas alunas lésbicas.Continuo a lidar com elas, agora que já têm o seu trabalho e são crecidinhas. Elas sabem que eu sei -mas nunca foi falado explicitamente, nem por mim, nem por elas.
Joana