Lema de Vida:

Aprender até morrer, morrer sem nada saber!!

sábado, janeiro 21, 2006

Hoje sinto-me...

Frágil
Põe-me o braço no ombro
Eu preciso de alguém
Dou-me com toda a gente
Não me dou a ninguém

Frágil
Sinto-me frágil
Faz-me um sinal qualquer
Se me vires falar demais
Eu às vezes embarco
Em conversas banais

Frágil
Sinto-me frágil
Frágil
Esta noite estou tão frágil

Frágil
Já nem consigo ser ágil
Está a saber-me mal
Este Whisky de malte
Adorava estar "in"
Mas estou-me a sentir "out"

Frágil
Sinto-me frágil
Acompanha-me a casa
Já não aguento mais
Deposita na cama
Os meus restos mortais

Frágil
Sinto-me frágil

Jorge Palma

2 comentários:

Tit disse...

Fragilidades... tantas vezes necessárias para parar e recomeçar...

Força para esse recomeço que é preciso todos os dias, apesar de tantas vezes se sentir a tal infinidade de estupidez de que falava Einstein ;-)

Um Beijinho e Bom fim de semana!

Miguel Sousa disse...

quando me sinto frágil, fico logo atento, para aprender com ela e me tornar ainda mais forte. Força rapariga.

Apesar de gostar da poesia, acho terrivelmente influenciada pela caracteristica "fadista" do nosso país. Será que não podemos dizer que estamos frageis com humor?...